Os três senadores baianos em exercício, Roberto Muniz (PP), Lídice da Mata (PSB) e Otto Alencar (PSD) gastaram juntos R$ 763,1 mil da cota para exercício da atividade parlamentar no Senado (Ceaps) em 2017. O recurso pode ser utilizado pelos senadores exclusivamente para atividades do cargo. O levantamento foi da ferramenta colaborativa online Operação Política Supervisionada (Ops), que fiscaliza a utilização de recursos públicos. Utilizando recursos de R$ 276,7 mil, Roberto Muniz é o senador baiano que mais gastou em 2017 – o progressista é suplente de Walter Pinheiro (sem partido), licenciado para ser Secretário Estadual de Educação. Os maiores gastos de Muniz incluem o aluguel de um imóvel para escritório político, o pagamento da agência de viagens FlyTour e a despesa com serviços de transportes. Segunda no pódio, Lídice da Mata gastou um total de R$ 271,9 mil. Os maiores beneficiários dos recursos do Ceaps da senadora foram as empresas de linhas aéreas Gol e Tam, a empresa de turismo L M e o microposto do Rio Vermelho, com o abastecimento de veículos. O ‘mão de vaca’ do time, Otto Alencar gastou R$ 214,5 mil e teve como maiores fornecedores a empresa LM Transportes interestaduais, a ESR Comércio de Combustíveis, as empresas de linhas aéreas Oceanair e Latam. Para ver todos os gastos basta acessar https://ops.net.br.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *