A preocupação com uma alimentação equilibrada chegou ao mundo pet. De acordo com a nutróloga veterinária Soelen Camargo, refeições naturais para os animais de estimação podem ajudar a prevenir o aparecimento de doenças. “Ração é um alimento bastante prático, mas tem palatabilizantes, para melhorar o sabor, e conservantes que podem causar inflamações crônicas ao longo do tempo e ainda estimular o aparecimento de doenças”, explica.

Além disso, alguns animais podem desenvolver alergias ou simplesmente se recusarem a comer os grãos. Foi o que aconteceu com Amora, cadela beagle da servidora pública Laís Mendes de Oliveira.

“Assim que ela chegou, ficou sem apetite. Tentei várias rações, das mais caras às mais baratas, e ela não conseguia comer”, conta a tutora. A partir daí, ela resolveu tentar comida feita em casa para a cachorrinha. Mas não a mesma que os humanos comiam. “Busquei a primeira receita na Internet e depois procurei ajuda profissional. E ao longo do tempo fui pesquisando mais”, revela Laís.

Algo parecido aconteceu com a engenheira Juliana Braga. Há quatro anos, ela iniciou uma pesquisa profunda sobre alimentação natural para cães depois que o seu cãozinho Romeu teve uma reação alérgica às rações industrializadas. “Descobri que poderia fazer diferença na saúde e na vida de Romeu. A solução estava na minha cozinha”, revela a engenheira apaixonada por bichos. Da situação particular, nasceu a Cousine du Pet, que vende alimentos naturais congelados para pets (confira lista de empresas fornecedoras desses alimentos à direita).

Segundo Soelen, a ajuda de especialistas é essencial. As rações vendidas nos supermercados vêm com quantidades específicas de proteínas, carboidratos, minerais e vitaminas. De acordo com a nutróloga, é difícil conseguir o equilíbrio necessário para determinados animais: “O profissional indica uma dieta para o animal e dá as proporções adequadas. Assim, consegue-se um alimento mais nutritivo, variado e com melhor aproveitamento. E as receitas podem ser modificadas para contemplar diferentes necessidades e mudanças”.

Cuidado
Substituir a ração por comida natural não significa passar a dar as sobras das refeições humanas. Pelo contrário, existem ingredientes e temperos que não podem entrar nas dietas dos animais porque são tóxicos para os pets. “Alguns alimentos não podem ser consumidos por cães e gatos como, por exemplo, a cebola, que causa anemia. A uva, inclusive a passa, pode desencadear processos de insuficiência renal”, esclarece a veterinária e nutróloga Daniela Carapiá, responsável técnica da Cuisine du Pet, que fornece alimentação natural cozida para pets.

Ela assinala ainda que azeite doce, óleo de coco e ovos são excelentes para a saúde dos pets. Algumas coisas, no entanto, estão liberadas. “Animais podem comer frutas, por exemplo. Só precisa ter cuidado para não oferecer as hipercalóricas para os obesos e algumas que podem causar intoxicação, como uva e carambola ou a casca do abacate”, alerta. Amora ama, segundo Laís: “Dou muita fruta a ela: melancia, melão, maçã, banana.”

O resultado da alimentação mais saudável é visto na melhoria de qualidade de vida deles. “O coco é mais sequinho, durinho, não fede, o pelo é sedoso e não cai tanto para um beagle. Mesmo quando ela teve um problema alérgico na pele, controlou rápido. É mais fácil para manter o peso estável e reduz a probabilidade de otite da raça”, descreve a servidora.

Mas e o preço? No fim das contas, a alimentação não industrializada sai mais cara ou mais barata? “A comida de verdade para cães e gatos pode custar um pouco mais que a rações secas. Porém, o ganho na saúde do animal, com menor gastos com consultas e remédios, compensa, com toda certeza”, afirma Daniela.

Para Gatos…

Cães não são os únicos que se beneficiam desse cuidado. Felinos também têm receitas com ingredientes naturais e que são preparadas de maneiras diferentes. “Gatos são estritamente carnívoros, então, basicamente, tem carne, vísceras e coração, que são muito importantes porque têm aminoácidos que ele não produz. Um pouco de vegetais é bom para estimular o trato intestinal”, explica Soelen.

Diferentemente das dietas para cachorros, os bichanos não precisam de carboidratos. Esse é um dos problemas das rações industrializadas para eles. “Há adição de carboidrato para dar liga e a quantidade que é sempre adicionada em cada refeição causa problemas para o resto da vida, como obesidade, por exemplo”.

FAÇA EM CASA

Proteína: cães e gatos são carnívoros. Não pode faltar proteína animal (bovina, suína, frango ou peixe).

Carboidrato: Entra na dieta dos cães apenas na forma de arroz. Se for integral, ajuda na digestão e na evacuação.

Legumes: O mix ajuda no aporte de minerais e vitaminas. Na dieta felina são usados para melhorar a digestão.

RECEITA – Petisco de carne (por Soelen Camargo)

Ingredientes: 1 kg de carne moída, 2 ovos e aveia em flocos

Preparo: Cozinhe a carne e passe no processador com dois ovos. Misture a aveia em flocos até criar uma liga. Em seguida é só colocar em forminhas para assar. Para não grudar, forre as formas com papel manteiga

Correio 24h

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *