A superlotação de presos no complexo policial foi o assunto que levou o coordenador da 4ª COORPIN, Dr. Edílson Magalhães, a se reunir com o diretor do Departamento de Polícia do Interior (DEPIN) e representantes do poder Judiciário e Ministério Público, nesta quarta-feira (9), em Santo Antônio de Jesus.

Em entrevista à rádio Recôncavo FM, Magalhães disse o que deixou bem claro durante a reunião: “a delegacia não suporta mais reformas pequenas”. A situação hoje é crítica, segundo o delegado. As grades estão com vários remendos, e por isso, frágeis, o que passa a ser um facilitador para que os presos tentem a fuga, como ocorreu recentemente.

O comércio e a prefeitura têm ajudado ao longo desse tempo a promover esses pequenos reparos no local, mas só amenizam a situação, pois só uma reforma especializada é capaz de solucionar todos os problemas.

O complexo abriga oitenta e cinco presos atualmente. A pretensão é que esse número seja reduzido para vinte. Não se sabe ainda para onde eles serão transferidos. Essa decisão depende do juiz de Salvador.

Por outro lado, Magalhães destaca: – há um desvio de função. A função da polícia civil é investigar, e não tomar conta dos presos. Às vezes a gente deixa de investigar para exercer esse papel -.

Com base nisso, o delegado fortalece a ideia de que a construção de uma casa de detenção na cidade seria mais adequado.

Da Redação do Blogdacidade.com.br

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *