Após ficar 11 dias na fila da Escola Municipal Luis Eduardo Magalhães, em Santo Antônio de Jesus, a senhora Edelzuita de Jesus, residente na Rua Antônio Fraga, falou neste domingo (06/01) das dificuldades enfrentadas.

“Fiquei cheia de dor, o sol tava muito quente nos dois últimos dias, passei horas de fome e cede, mas tou aqui na luta para garanti uma vaga pra minha filha, que gosta muito de estudar”, disse.

Já a filha de Edelzuita, Carme Simões, 13 anos, que está vindo da escola do Tiro de Guerra, avaliou a fila como bom e ruim. “Bom porque eu vou poder estudar e ruim para todos os pais que estão aqui sofrendo nesse sol”, disse.

Carme prometeu a sua mãe passar de ano e ter um bom futuro. Ela pretende ser advogada.

Tribuna do Recôncavo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *