Os professores da rede particular de ensino, em greve há oito dias, decidiram, em assembleia realizada nesta terça-feira (5), pelo fim da paralisação. Durante a reunião foram apresentadas as propostas e negociações realizadas às 14h desta segunda (4), que foi mediada pela Superintendência Regional do Trabalho e Emprego (SRTE).

Ao fim da assembleia foi assinado um termo de compromisso que garante aos professores os direitos oferecidos pelo Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino do Estado da Bahia (Sinepe-BA).Segundo a diretora de comunicação do Sindicato dos Professores no Estado da Bahia (Sinpro/BA), Cristina Souto, o Sinepe acatou a sugestão de reajuste de 7% do mediador e outras cláusulas que haviam ficado pendentes também foram discutidas.

Duas novas cláusulas foram incluídas na convenção coletiva, consideradas uma luta histórica do segmento: a regulamentação dos itens a serem discriminados no contra-cheque e a garantia do intervalo de 15 minutos para os professoras da Educação Infantil e Fundamental.

Três cláusulas foram ajustadas e, a partir desta quarta-feira (6), será paga como hora extra as aulas de recuperação e reorientação praticadas fora do horário contratual do professor e reuniões realizadas pelas escolas que não estiverem de acordo com a definição de Coordenação Pedagógica. Outra conquista da categoria foi a garantia de uma melhora na cláusula penal que assegura ao Sinpro/BA a notificação das escolas irregulares sem a intermediação do Sinepe-BA, o sindicato patronal.

De acordo com o  Sinpro/BA, os dias de greve serão repostos, garantindo os 15 dias de recesso entre os semestres, e o Sinepe se comprometeu a orientar as escolas, com o intuito de não chocar os dias de reposição entre as instituições de ensino. As aulas voltam nesta quarta-feira (5). (Correio)

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *