No Brasil, 65% da população relata ter, pelo menos, um sintoma urinário, como urgência ou necessidade de fazer força para urinar, aumento da frequência ou acordar durante o sono para ir ao banheiro.

Foi o que mostrou uma pesquisa da Astellas Farma Brasil, chamada Brasil LUTS (sigla em inglês para Sintomas do Trato Urinário Inferior), apresentada nesta semana no Congresso Brasileiro de Urologia.

Considerado o primeiro estudo populacional epidemiológico brasileiro, a pesquisa ouviu, por telefone, 5.184 pessoas, com 40 anos de idade ou mais, em cinco capitais do País (Belém, Goiânia, Porto Alegre, Recife e São Paulo). A idade é fator determinante, visto que os sintomas começam a se tornar mais importantes a partir dessa idade.

Os participantes foram escolhidos de maneira aleatória, ou seja, podiam ou não apresentar algum sintoma. Para definir os dados, os pesquisadores levaram em conta sintomas relevantes e que alertavam para um quadro médico.

A prevalência dos sintomas foi maior em mulheres (68,1%), e os problemas mais comuns, no geral, são bexiga hiperativa, incontinência urinária e hiperplasia benigna da próstata. Cristiano Gomes, urologista do Hospital das Clínicas que participou da pesquisa, explica que a bexiga hiperativa é caracterizada pela urgência e frequência para urinar.

Quanto à incontinência, a mais comum é por esforço, que ocorre quando se espirra, tosse ou carrega muito peso. Já a hiperplasia é o aumento da próstata – não relacionado ao câncer do órgão -, que pode comprimir a uretra e impedir a saída da urina.

Todos esses problemas afetam significativamente a qualidade de vidas das pessoas. Segundo a pesquisa, quase metade, entre homens e mulheres, diz que se sentiria ‘descontente’, ‘ruim’ ou ‘péssimo’ se permanecesse com os sintomas urinários pelo resto da vida.

“Limitações ou interrupções das atividades físicas, a pessoa pode se afastar da intimidade com o parceiro e queda de autoestima”, cita Gomes quanto aos impactos negativos. No dia a dia, a pessoa deixa de tomar muito líquido e tem de fazer um mapeamento dos banheiros por onde passa. Para as mulheres, carregar uma peça íntima extra pode se tornar um hábito.

Acordar à noite para ir ao banheiro mais de duas vezes à noite para ir ao banheiro também foi um sintoma prevalente em ambos os gêneros. “Estudos mostram que acordar duas vezes ou mais afeta a qualidade do sono e compromete a capacidade de recuperação das pessoas”, diz Gomes.

A incontinência urinária ocorre pelo enfraquecimento do esfíncter, estrutura muscular que controla o fechamento da uretra. Há fatores genéticos para que o problema se manifeste, mas nas mulheres, em quem a prevalência é maior, a realização e quantidade de partos vaginais podem contribuir também. Nos homens, a ocorrência se dá como uma complicação de uma cirurgia de próstata, por exemplo.

Busca por tratamento

Na pesquisa da Astellas, apenas 30,6% dos homens e 36,8% das mulheres afirmaram ter buscado tratamento. A alta taxa de quem não busca auxílio médico pode ser explicada, segundo a experiência clínica dos médicos, pela crença de que o problema é natural do envelhecimento.

Segundo a pesquisa, a procura ocorre quando a pessoa é mais velha (a partir dos 60 anos), e mais por mulheres.

Porém, algumas pessoas podem se adaptar aos sintomas e conviver bem com eles sem sentir a necessidade de consultar um especialista.

“Os sintomas tendem a piorar, mas não é em todos os casos e não necessariamente precisarão de tratamento. [A gente] só trata quando tem impacto na qualidade de vida. Se os exames não revelaram algum problema médico, como infecção urinária, só vai tratar se o paciente estiver incomodado”, diz o urologista.

Segundo Gomes, explicar os sintomas e promover mudanças comportamentais é o primeiro passo. “Para quem tem urgência [para urinar], evitar que a bexiga fique muito cheia, ir ao banheiro antes disso e tem terapia para o assoalho pélvico”, indica o médico.

Ele também recomenda exercícios de fortalecimento do esfíncter, que podem melhorar os sintomas. Quando esse tipo de tratamento não resolve, pode-se recorrer a medicamentos ou cirurgia.

Mesmo que os sintomas não sejam um problema na vida de quem os sente, o urologista Roberto Soler, gerente médico da Astellas, recomenda uma avaliação médica.

“Se, de alguma forma, levantou um sinal de que algo está errado, é interessante procurar. O fato de o médico ver é importante, nem que seja para falar ‘cuida do peso, porque a incontinência pode piorar se ficar mais gordo’”, diz.

Prevenção

Exceto pelos fatores genéticos, o urologista do Hospital das Clínicas diz que a prevenção dos problemas urinários é a mesma para outras doenças ou condições.

“É a mesma que previne doenças cardiovasculares, não ficar gordo, sedentário, ter dieta balanceada. Essas coisas diminuem o risco”, afirma.

Soler completa: “Prevenir é reduzir a taxa, não vai zerar, mesmo porque tem muitos fatores genéticos”. Ele cita outros quadros médicos que podem influenciar o aumento do risco de sintomas urinários, como diabetes, hipertensão e placa de gordura.

Leia Mais

  1. International directory enquiries alphaviril kaufen Ethan Harris, global co-head of economic research at Bank of America Merrill Lynch, thinks the committee is most likely to delay tapering for at least another month. But he said that whatever happens, the Fed’s language will “remain quite dovish, regardless of what they decide in terms of asset buying”.

  2. I want to report a usa medical supply But in neighborhoods outside the commercial core — and off the well-worn tourist track — a different Montreal emerges. Locals outnumber visitors. Boutiques and restaurants cater to neighbors. And up close, you get to savor the zesty flavor, eclectic spirit and delicious contradictions of North America’s most exhilaratingly schizophrenic city.

  3. Hello good day nitro tech ripped review * States cannot shut down nuclear plants over safetyworries, the United States Court of Appeals for the SecondCircuit ruled on Wednesday, upholding a lower court’s decisionthat allowed the Vermont Yankee plant to keep running despite aseven year effort by the Vermont Legislature to close it. ()

  4. Hi are using WordPress for your blog platform? I’m new to
    the blog world but I’m trying to get started and set up my own. Do you
    require any html coding expertise to make your own blog?
    Any help would be really appreciated!

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *