O corretor de valores Lúcio Funaro, ex-operador-financeiro do deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), voltou a afirmar hoje (31) que o presidente Michel Temer recebeu ao menos R$ 2 milhões em propina por meio de doação oficial para a campanha presidencial de 2010, em que concorreu como vice de Dilma Rousseff.

A informação, que já havia sido adiantada por Funaro na delação premiada que firmou com o Ministério Público Federal (MPF), foi reafirmada nesta terça-feira ao juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal de Brasília, onde tiveram início, na semana passada, os interrogatórios dos réus na ação penal decorrente da Operação Sépsis.

No segundo dia de interrogatório, Funaro deu detalhes sobre a negociação de um aporte do FI-FGTS no grupo Bertin, em troca do pagamento de propina para campanhas de políticos do PMDB.

O operador financeiro relatou ter participado de almoços em um hotel em Brasília com Natalino Bertin, controlador do grupo, o ex-deputado Eduardo Cunha e o ministro Moreira Franco, da Secretaria Especial da Presidência, que era deputado à época. Teria comparecido também o deputado Cândido Vaccarezza, à época no PT e ativo na campanha presidencial.

Nesses encontros, foram combinados os valores que seriam destinados às campanhas do PMDB, em troca de benefícios ilegais às empresas do grupo Bertin na Caixa, segundo Funaro. O responsável por facilitar a liberação de recursos, ainda segundo Funaro, teria sido Moreira Franco, à época vice-presidente de Fundos de Governo e Loterias do banco público.

“Se não me engano Eduardo Cunha ficou com R$ 1 milhão”, disse. “Dois milhões, dois milhões e meio foram destinados ao presidente Michel Temer, e um valor – acho que um milhão, um milhão e meio, ao deputado Cândido Vaccarezza”, disse Funaro. “O do Temer acho que foi doação oficial pro PMDB nacional”, afirmou.

Para embasar suas declarações, Funaro disse que a contabilidade do pagamento de propina estaria documentada em uma agenda de Natalino Bertin apreendida pela Polícia Federal (PF), bem como em um caderno dele, também apreendido.

Agência Brasil tentou contato com a defesa do presidente Temer, mas não obteve retorno até a publicação.

Operação Sépsis

A Operação Sépsis investiga desvios na vice-presidência de Fundos de Governo e Loterias da Caixa Econômica Federal, responsável pela operacionalização do FI-FGTS, cujos aportes precisam ser aprovados pelo conselho curador do FGTS, composto por 12 membros.

Além de Funaro, são réus na ação penal Cunha, o ex-vice-presidente da Caixa Fabio Cleto, o ex-ministro do Turismo Henrique Eduardo Alves e Alexandre Margotto, ex-funcionário de Funaro.

Agência Brasil

  1. this post is fantastic differin gel for wrinkles 2018 Mr Pandit’s successor, Michael Corbat, has struggled to improve Citigroup’s fortunes in an environment where client business is tepid and new regulations are raising banks’ expenses. Those regulations are designed to make the banking system safer after the financial crisis, which forced Citigroup to seek government rescues three times.

  2. I’d like to cancel this standing order viagra fast delieverly
    The purpose of the pretour is to entertain and to build us as family. Our first stop was the Indianapolis Motor Speedway on Thursday, where we took a tour of the track and even got to ride the track. Next we went to the Louisville Slugger Museum and Factory. We all enjoyed our factory tour and even got to take home a miniature baseball bat!

  3. Can you hear me OK? flos medicinae viagra
    “I’ll try it. I’m going to run under control, but it’s kind of hard because I’ve never really done it,” Jeter said. “I’ve come back from injuries and taken a little time before I ran as hard as I can. It’s not going to be like I am jogging to first base — I can’t do it. I don’t think I can do it.”

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *