O manifesto “se puder, sonhe” que faz parte da 13ª edição do Festival Latinidades convoca as pessoas negras, em especial as mulheres, a valorizar e expressar os seus sonhos, com o objetivo de apontar as metas de pessoas negras como possibilidades reais na sociedade.

Para Jaqueline Fernandes, fundadora do evento, o brasil vive um momento de travessia. Falando ao portal Alma Preta, ela afirmou que se as populações negras não disputarem espaço no chamado novo normal, ficarão fora dessa narrativa mais uma vez.

Maior festival de mulheres negras da América Latina, o Latinidades acontece de forma online, entre os dias 22 e 27 de julho e tem como tema “Utopias Negras”.

A programação conta com mais de 60 atividades, entre painéis, oficinas, workshops, shows de música, recitais de poesia, rodas de conversa e espaço infantil. Participam todas as regiões brasileiras e mais nove países: Barbados, Colômbia, Cuba, Etiópia, Haiti, Jamaica, Nigéria, Costa Rica e Guiné Bissau.

O projeto parte do lugar das artes e da cultura para dialogar, disputar narrativas e fortalecer diferentes saberes de mulheres negras: na academia, na rua, na escola, no chão de fábrica, na comunicação, nos movimentos sociais e na gestão de políticas pública.

A expressão “se puder, sonhe” faz referência ao “se puder, fique em casa”, recado que se destacou devido à pandemia do novo coronavirus. A programação completa e os canais para acesso ao festival podem ser encontrados no site afrolatinas.com.br. Com informações do Portal Alma Preta.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *