Passados seis meses das mudanças nas regras do rotativo do cartão de crédito e com sucessivas quedas na taxa básica de juros, a Selic, o brasileiro que precisou recorrer a esse instrumento não chegou a pagar metade do que desembolsa em juros antes da mudança.
Levantamento feito pelo aplicativo de controle financeiro GuiaBolso mostra que com as novas regras o peso dos juros ficou 41% menor do que era antes.
Entre abril e setembro deste ano (com as mudanças no cartão), o valor pago em juros pelos 524 mil usuários da plataforma foi de R$ 30,38 por mês. Se olhar para o período imediatamente anterior às mudanças, entre outubro de 2016 e março de 2017, os consumidores gastaram R$ 51,67 em juros em média.
O rotativo é acionado quando o cliente paga qualquer valor entre o mínimo da fatura e o total. Em março, o Conselho Monetário Nacional (CMN) determinou um limite de uso do rotativo: 30 dias. Passado o período, haverá uma migração automática para o parcelado do cartão, que também tem um juro alto, embora menor do que o do rotativo, de 397,4% ao ano, segundo o Banco Central. O rotativo continua a mais cara linha de crédito.
A Selic, taxa básica de juros da economia e referência tanto para investimentos, sobretudo em renda fixa, como para os juros do crédito, caiu 4,75 pontos porcentuais de janeiro a setembro deste ano. Essa queda poderia ter ajudado os juros a caírem mais, sobretudo após as mudanças, explica Mauricio Godoi, especialista em crédito e professor da Saint Paul Escola de Negócios.
Na prática, se a Selic saiu dos 14,25% vistos no ano passado e pode chegar a 7% no fim do ano, o custo do dinheiro entre os bancos caiu a metade, mas a mesma proporção não foi repassada para os clientes. “Os juros dos investimentos vão caindo consideravelmente mas os juros do cartão não acompanham”, critica Godoi.
Ele explica que o descompasso ocorre principalmente por causa do risco de inadimplência, que na modalidade está em 39,2%, de acordo com o Banco Central. Por isso, mesmo com as novas regras do cartão de crédito, as condições para quem recorre a esse tipo de dívida continuam difíceis.
O valor mensal pago no parcelado do cartão, modalidade para onde vai consumidor que fica por mais de 30 dias no rotativo, aumentou 3%, segundo o estudo do GuiaBolso.
Antes das novas regras, os usuários gastavam, em média, R$ 388,42 mensais para pagar as dívidas do cartão de crédito. Com as mudanças, esse valor subiu para R$ 400,02. “Se tiver com o nome limpo, é melhor recorrer ao crédito consignado ou ao crédito pessoal, que é ainda mais barato”, aconselha Godoi.
Migração
O gerente de Inteligência de Negócios, Thiago Meira Kaippert seguiu o recomendado pelo especialista. Em maio, quando voltou da lua de mel, ele tinha na mesma fatura as parcelas do casamento ocorrido em setembro do ano passado, os gastos da viagem e o investimento em uma pós graduação. Para não cair na ciranda dos juros do rotativo e do parcelado, Kaippert resolveu partir logo para uma dívida mais barata, e contratou um empréstimo pessoal.
Ao comparar taxas, ele e o marido, Leonardo Kaippert, chegaram a encontrar um diferença de 50% entre as taxas oferecidas no mercado e a que eles contrataram na plataforma de crédito online Just.
Passado o sufoco, ele ensina: “O maior problema foi parcelar a perder de vista. Melhor tentar pagar em menos vezes para as contas não caírem no cartão todas de uma vez. Sorte que corremos do rotativo de do parcelado”, diz.
Bruno Poljkan, diretor da startup de crédito Just, aconselha a contratar um empréstimo que não comprometa mais do que 20% da sua renda. Ele conta que mesmo com as novas regras, os empréstimos feitos para quitar dívidas mais caras representam 70% dos contratos.
Diário de Pernambuco
  1. Who do you work for? maxalt cost Saying he had come to China to reassure consumers andapologising for the contamination, Fonterra Chief Executive TheoSpierings told a media conference in Beijing on Monday that milkpowder sold by Coca Cola and Chinese food firm Wahaha issafe.

  2. Remove card emla cream shoppers drug mart “Podgurski claimed to be disabled after suffering a fall in her home and fraudulently collected more than half a million dollars from seven different insurance companies and a government agency,” the DA’s office said in a statement. Authorities said they determined that she was not disabled as she had claimed.

  3. I’ll call back later pulmicort para nebulizar nios dosis This fluffy frontage does not chime completely with hard-nosed whispers: that Al Fayed has been planning a sale for the last two years, running the team down, squeezing salaries and running costs to show improving cash flow, selling now when future TV revenue streams look good and before money needs spending to keep the team in the Premier League.

  4. Canada>Canada panadol sirupas It also connects Hidden Lynx to a major campaign dubbed Voho, which was discovered last year by EMC’s Corp’s RSA security company. Voho targeted hundreds of organizations, including financial service, technology and healthcare companies, defense contractors and government agencies.

  5. I’ll put her on levofloxacin 500 mg uses As the first partial federal government shutdown in 17 yearsentered into its fourth day, the Labor Department delayed therelease of its closely watched payrolls report, which would havebeen the premier focus for traders. Instead, they continued toawait for hints the White House and Congress might be comingcloser to an agreement to increase the government’s $16.7trillion statutory borrowing limit.

  6. Hello good day femigra canada
    The Vogue article focuses on Davis’s rise from poverty to a prosperous career in law and politics. At age 19, Davis was a divorced single mother living in a trailer park. While working to support herself and young daughter, she enrolled in community college, went on to earn a bachelor’s degree at Texas Christian University in Fort Worth and then earned a law degree at Harvard University.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *