Dezenove anos depois da explosão da fábrica de fogos em Santo Antônio de Jesus (a 180 km de Salvador), no Recôncavo baiano, que vitimou 64 pessoas, entre elas mulheres e crianças, a justiça determinou que os bens da família Bastos sejam leiloados.

A captação dos lances começa às 10h desta sexta-feira (15/12), no salão do Fórum Desembargador Wilde Lima, na modalidade de leilão presencial e eletrônico, através da internet acessando www.brandelleiloes.com.br.

No último dia 11, familiares das vítimas se reuniram, como fazem todos os anos, na Creche 11 de Dezembro, no bairro Irmã Dulce, conhecido por Mutum, onde morava a maior parte das vítimas. O momento foi de oração entre famílias e amigos do Movimento em memória das vítimas que morreram com a explosão da fábrica em 11 de dezembro de 1998.

O leilão tem o valor total de R$ 14.460.375  mil (Catorze milhões, quatrocentos e sessenta mil, trezentos e setenta e cinco reais). De acordo com Manoel Missionário, coordenador da Creche 11 de Dezembro e que acompanha o caso, houve atraso na última parcela prevista para ser paga dia 30 de maio último. O leilão segue até a próxima segunda-feira (18/12), encerrando às 14h.

Segundo Missionário, houve um acordo em 2016 no valor de um pouco mais de R$ 2,7 mil. As parcelas estavam sendo pagas, mas a última, no valor de R$ 671 mil deveria ser paga em 30 de maio desse ano, o que não ocorreu. “Como houve a falta de descumprimento, parte dos bens da família Bastos, responsáveis pela fábrica, serão leiloados. Tem uma Ata assinada por ambas as partes que, se houvesse descumprimento do acordo, seria leiloado parte dos bens para indenizar as famílias”, explicou.

Bens 

Entre os bens que vão a leilão, estão quatrogalpões, localizados em área comercial, no centro da cidade, avaliados em R$ 257, 150 (duzentos e cinquenta e sete  mil, cento e cinquenta reais) e um terreno na Avenida Juracy Magalhães, medindo 2.000 m², localizado ao lado da residência da familia Bastos, avaliado em R$ 4 milhões.

Explosão

Segundo as investigações, o galpão onde ocorreu a tragédia, de 200 m2, armazenava 1,5 tonelada de fogos no momento da explosão. Cerca de 100 pessoas trabalhavam no local e no galpão anexo. Das vítimas, 61 morreram na hora, outras três ainda chegaram a ser atendidas, mas não resistiram, e cinco tiveram ferimentos graves, mas sobreviveram. 

O caso ganhou repercussão internacional e fez a União virar réu em ação na Organização dos Estados Americanos (OEA), em 2001, quando a Comissão Interamericana de Direitos Humanos acolheu denúncia de “descaso e omissão” feita pelo Movimento 11 de Dezembro, formado por familiares e amigos das vítimas, e pelo Fórum de Direitos Humanos (FDH) de Santo Antônio de Jesus.

Ba Cidades

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *